“Grêmio Foot-ball ‘Espartense’”

novembro 25, 2009

No dia 26 de novembro de 2005 algo extraordinário aconteceu. Lembra-te? Não? Deixemos, por enquanto, esta resposta de lado e passemos a falar um pouco das estórias da história.

Na Grécia, no ano 480 a.C., antes mesmo do surgimento do nosso atual calendário, existiu um soldado de nome Leônidas que comandou um exército de 300 espartanos contra o poderoso exército persa na batalha de Termófilas. A luta foi completamente desleal já que os persas, liderados por Xerxes, tinham um esquadrão infinitamente superior aos gregos.

Na história, o conflito ficou marcado por inspirar toda a Grécia a se unir, ajudando a solidificar o tão tradicional conceito de democracia grego. A missão foi considerada suicida e é um ícone de hombridade e defesa de uma nação. Estas aventuras podem ser facilmente acompanhadas em filmes que contam essa batalha épica, baseados em fatos reais.

Para os que não gostam tanto assim das salas de cinema ou de filmes na telinha, um fato, também histórico, pode se comparar a esse acontecimento. Voltemos a falar de 2005. Mais precisamente 26 de novembro de 2005. Neste dia um pequeno exército azul, preto e branco tinha a missão de superar um batalhão de quase vinte mil homens.

O pequeno exército chamava-se Grêmio, pequeno em número jogadores e torcedores no estádio, mas grande em tradição. Esta batalha, a famosa Batalha dos Aflitos, marcou o futebol brasileiro e mundial.

Na ocasião, o tricolor gaúcho teria de vencer o Náutico, em Recife, para garantir à sua vaga na série A do ano seguinte. Fácil? Quem disse? Tudo transcorria normalmente até que um soldado (ou jogador) foi eliminado da disputa por cartão vermelho. O que já era uma covardia aumentava ainda mais com a eminência chance dos donos da casa vencerem a disputa.

O gol vermelho não saiu na primeira etapa, e de quebra, os gremistas ficaram sabendo que por resultados paralelos teriam que, pelo menos, segurar o empate contra o enfurecido Náutico se quisesse sair do inferno da segunda divisão.

O caldeirão vermelho do time pernambucano fervilhou mais ainda quando o árbitro Djalma Beltrame viu pênalti contra os gremistas. Ele alegou ter visto Nunes, um dos volantes tricolores, pôr a mão na bola. Tragédia! A partir daquele instante o futebol se transformou em batalha campal. Policiais espancavam jogadores, dirigentes e repórteres invadiram o campo, totalizando mais de 24 minutos de paralisação.

Torcedores e dirigentes pediam ao então treinador Mano Menezes que retirasse o time de campo. Isto não confirmou e a penalidade foi cobrada. Era Ademar contra o jovem goleiro Galatto, o Leônidas tricolor. Bastava um gol e o timbu subiria à primeira divisão deixando o tricolor gáucho por mais um ano na lamúria. Todos rezam. O Grêmio perde mais 3 jogadores. Os quatro expulsos choram no vestiário fechado que mais parecia um calabouço. Momentos de angústia de um lado e de esperança no outro. Atenção! Diziam os narradores. Prepara-se Ademar e… GALATOOOOOOOOOOOO!

Sim! O Leônidas dos pampas pegou a penalidade, defendeu, espalmou, salvou a nação tricolor. MILAGRE! MILAGRE! Era só o q se ouvia nos Aflitos. Mas ainda restavam 10 minutos. O time porto-alegrense precisava segurar o exército vermelho. Eram 11 vermelhos (mais o juiz) contra apenas 7 gremistas. Um no gol, Galatto, e outros seis espalhados pelo campo. O objetivo era um só segurar o ataque adversário e não sofrer gol.

Anderson, um moleque atrevido que entrara em poucos instantes, não sabia do combinado de se defender e partiu para cima dos 4 ou 5 defensores do dono da casa. Davi contra Golias. Apenas um “negrinho abusado” ignorando a lógica da democracia grega em que a maioria vence.

No lance seguinte ao milagre de Galatto ele pega a bola e parte em disparada ao gol adversário. È travado e derrubado com falta, inclusive expulsando o infrator. Pronto! Era o que os visitantes queriam. -“Fica deitado!”, -“Mata tempo”, gritavam os dirigentes e os jogadores do banco de reservas gaúcho.

E quem disse que o nada obediente Anderson ouvia ordens. Cobrança rápida, outra vez na contramão da lógica, e o garoto fez calar um estádio. Fez explodir os gremistas que viam tudo pela TV. Era gol. INACREDITÁVEL! INACREDITÁVEL! Com apenas sete homens em campo o Grêmio, não só se livra de sofrer o gol da derrota com ainda faz o seu com Andershow, -“Ele é craque”, -“Ele é show”. Em Porto-Alegre todos choram, no Recife todos correm para todos os lados do campo sem nem saber como e se deveria comemorar, já que ainda restavam nove minutos de uma batalha covarde como a dos persas.

Mas depois do gol é que o exército azul se uniu, era “um por todos e todos por um”, afinal este é lema do mosqueteiro, símbolo tricolor. Os nove minutos se passaram e nada de gol pernambucano. Todos ainda choravam, se abraçavam, a partida decisiva estava se tornando histórica. O mundo nunca vira isso.

Hoje todo dia 26 de novembro é comemorada a imortalidade tricolor. Quatro anos já se passaram dessa epopeia, mas jamais alguém esquecerá. Como os gregos, o legado na história é do Grêmio, apesar de um exército enfraquecido, afrontado, estes jamais desistiram e honraram a tão tradicional nação gremista.

Como Leônidas, o Grêmio jamais se entregou, enfrentou essa batalha pela honra e pela dignidade, mesmo com um exército menor ao do inimigo. É por essas e outras que, na Azenha ou nos quatro cantos do mundo o time é conhecido como o Imortal Tricolor.

Renan Dias Silveira


Grêmio derrota destemperado Palmeiras

novembro 19, 2009

Maxi López foi um dos destaques gremistas contra o Palmeiras

O Grêmio não deu chances ao Palmeiras e venceu por 2 a 0 o time paulista nesta quarta-feira no Olímpico, mantendo a invencibilidades no seus domínios. Mesmo com a vitória, a vaga para a Libertadores do ano que vem ainda é um sonho quase inalcançável.

Para conseguir entrar no G-4, o time de Marcelo Rospide terá que vencer Barueri e Flamengo e torcer por uma série de resultados paralelos, algo quase impossível. Já para o Palmeiras, que se manteve na liderança por 20 rodadas, o título ficou mais distante.

 O jogo ficou marcado uma briga em os palmeirenses Obina e Maurício. Ambos trocaram socos e pontapés durante o intervalo da partida. A discussão teria sido por cobranças entre si, já que os dois jogadores estavam diretamente envolvidos no primeiro gol gremista. Na volta do intervalo, o árbitro da partida, Hérber Roberto Lopes, acabou expulsando corretamente os dois jogadores.

Fora o fato palmeirense, o Grêmio teve total domínio durante a partida. Com Douglas Costa inspirado, o Grêmio não tomou conhecimento do adversário. Mas o primeiro gol saiu somente nos acréscimo da primeira etapa. Souza cruzou para a área. Maxi López dominou e após um chapéu em Maurício, bateu cruzado. Marcos defendeu e no rebote, Rafael Marques mandou para o fundo das redes.

Com dois a mais no segundo tempo, o jogo foi um verdadeiro ataque contra defesa. Mas o Grêmio não forçou muito o Palmeiras e marcou somente mais um gol. Herrera conseguiu desviar chute cruzado de Rochemback achando Maxi López na área. O Argentino, com muita raça, conseguiu se livrar de dois marcadores e mandar para as redes. Final da partida: 2 a 0 para o Grêmio.

Veja os gols aqui:

Ficha técnica:

Grêmio: Marcelo Grohe; Thiego (Willian Magrão), Rever, Rafael Marques e Lúcio (Bruno Collaço); Adílson, Maylson (Herrera), Fábio Rochemback, Souza e Douglas Costa; Maxi López. 

Palmeiras: Marcos; Figueroa, Danilo, Maurício e Armero; Sandro Silva, Pierre, Deyvid Sacconi e Diego Souza; Ortigoza (Marcão) e Obina.

 Gols: Rafael Marques, aos 46/1º e Maxi López, aos 25/2º

 

Por: Anderson Malagutti


Reta final da Tacinha empolga o Ipiranga

novembro 5, 2009
dsc08614
Categorias de base do Ipiranga avançam de fase na Tacinha

O Ipiranga FC tem os seus dois representantes na Tacinha RBS de Futsal prontos para a estreia na quarta fase da competição.

Na categoria Infantil, o Ipiranga/Guacho Bombas Injetoras está na chave U e joga em Dois Lajeados, enfrentando a AGE/Sicredi e Ametista do Sul. Este triangular ainda não tem data marcada para acontecer. Classificam-se os dois primeiros de cada grupo à fase seguinte. O triangular de volta será no Ivanildo Gazzoni em Frederico Westphalen, porém também com data indefinida.

A categoria Infanto busca classificação ao quadrangular final já neste sábado. Nesta categoria, a quarta fase corresponde a dois grupos em que as equipes se enfrentam entre si em dois quadrangulares. Os dois times melhores colocados de cada grupo farão a final, também em forma de quadrangular.

O Ipiranga/Mec. Mazonetto está no grupo Q, juntamente com Sarandi, Lagoa Vermelha e Lupatini Esportes, de Passo Fundo, cidade que sediará os jogos de volta.

A arrancada do infanto canarinho rumo as finais está marcada para este sábado, às 14 horas, no Ivanildo Gazzoni.

Por: Renan Silveira


Ponte Preta vence e encaminha reabilitação

novembro 5, 2009

DSC00556

Ponte Preta venceu a primeira no segundo turno (Foto: Renan Silveira)

A Ponte Preta venceu, no último domingo (1), o Guarani por 3 a 0. O jogo, disputado na linha Boa Esperança, valeu pela 4ª rodada da Copa União, o 2º turno do Municipal. Com o resultado, a equipe da linha Encruzilhada subiu para a 3ª posição no grupo B. O Náutico lidera esta chave com 9 pontos e 100% de aproveitamento. O Guarani segue na lanterna do mesmo grupo.

A partida teve muitos lances de velocidade e qualidade técnica, contando com o empenho dos atletas, apesar da alta temperatura.

A primeira etapa teve vitória parcial dos visitantes por 2 a 0, gols de Juliano e Roni. No segundo tempo a Ponte administrava o resultado até os 29 minutos, quando o Guarani teve um pênalti marcado a seu favor. Na cobrança Pintão pegou o chute de Rodrigo Bonatto e esfriou o que seria a reação dos donos da casa.

No finzinho, aos 42, Alex Coletti escorou cruzamento de Diogomar, da direita, e ampliou para 3 a 0, decretando a primeira vitória alvi-negra.

A próxima rodada da Copa União acontece neste domingo, a partir das 14h30min.

Por: Renan Silveira


Ipiranga classifica-se bem na Tacinha

outubro 31, 2009

As categorias Infantil e Infanto do Ipiranga garantiram, no último domingo (18), vaga à quarta fase da Tacinha RBS de Futsal. As partidas do Infantil foram disputadas em Soledade, enquanto que os jogadores do Infanto disputaram seus jogos em Carazinho.

infanto2
Infanto do Ipiranga: time se classificou na primeira posição de sua chave

O time infantil, treinado por Roger Antunes, venceu seu primeiro compromisso, frente Vila Maria, por 7 a 2. Na partida de fundo, o time foi derrotado por Soledade pelo placar de 14 a 6. Com os resultados, o Ipiranga/Guacho Bombas Injetoras terminou a terceira fase na 2ª posição com 9 pontos, mesmo número da líder Soledade, porém ficou para trás nos critérios de desempate.

O Infanto, do técnico Tiago Piovesan, teve melhor sorte. O Ipiranga/Mecânica Mazonetto ficou com a 1ª colocação da chave O, ao vencer Caiçara por 6 a 3. A equipe frederiquense ainda foi derrotada, por 5 a 2, pelo Pinheiro de Carazinho, mas o resultado não alterou o posicionamento do grupo.

A quarta fase ainda não tem data para as escolinhas do Ipiranga estrearem. No entanto, os adversários do Infanto já foram definidos. O time faz parte do grupo Q, juntamente com Ariel/Lagoa Vermelha, Lupatini Esportes, de Passo Fundo e Sarandi.

O infantil está na chave U juntamente com CMD/Ametista do Sul e deve conhecer o outro adversário neste domingo, data em que se encerra a terceira fase da categoria.

Por: Renan Silveira


Tricolor vence e assume a liderança

outubro 28, 2009

Jogo de seis pontos na noite de quarta-feira no Morumbi. Inter e São Paulo iniciaram a partida com o mesmo número de pontos: 52. Quem ganhasse, poderia dormir na liderança, já que o jogo do Palmeiras é só hoje.

eller

Fabiano Eller tenta conter Washington (Foto: Final Sports)

O jogo começou truncado, com as duas equipes brigando muito pela posse de bola. Mas mesmo jogando fora de casa o Inter partiu para cima tendo a primeira boa chance  aos 8 minutos. O Tricolor como não tinha nada para perder se defendia e contra atacava. A melhor chance da partida foi desperdiçada pelo argentino D’Alessandro, que na cara do gol, chutou em cima do goleiro. Como quem não faz leva, o São Paulo nos acréscimos abriu o placar com Washington, que aproveitou o cruzamento do escanteio e mandou para as redes.

No segundo tempo, o Inter dominou boa parte do jogo, tendo boas chances, mas não concretizando nenhuma em gol. Antes do término da partida, os torcedores gritavam na arquibancada: “O campeão voltou!” E o placar terminou: São Paulo 1 x Inter 0.

Com a vitória, o Tricolor assumiu a liderança, que hoje pode ser retomada pelo Palmeiras. O Inter caiu uma colocação e agora está em 4° com 52 pontos.

No domingo, o Inter enfrenta o Botafogo, às 16h, no Beira-Rio. O São Paulo no sábado pega o Barueri, as 18:30h no Morumbi.

Ficha técnica:

São Paulo: Bosco; Renato Silva, André Dias e Miranda; Adrian González (Zé Luis), Jean, Richarlyson (Junior Cesar), Hernanes e Jorge Wagner; Dagoberto (Hugo )e Washington. Técnico: Ricardo Gomes.

Internacional: Lauro; Bolívar, Índio e Fabiano Eller (Alan Kardec); Daniel (Andrezinho), Sandro, Giuliano, D’Alessandro e Kléber; Taison (Marquinhos) e Alecsandro. Técnico: Mário Sérgio.

Gols: Washington, aos 47 minutos do primeiro tempo.

Estádio: Morumbi Data: 28/10/2009. Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF). Auxiliares: Enio Ferreira de Carvalho (DF) e Cesar Augusto de Oliveira Vaz (DF). Renda e Público: R$ 846.825,00/ 34.203 pagantes

Por: Laize Turra


Começa a decisão da Stock Car Brasil

outubro 27, 2009

ricardo

Ricardo Maurício comemora com o chefe da equipe (Foto: Globo.com)

No último fim de semana começou a decisão da  Stock Car Brasil que e  a maior competição  automobilística nacional. As superfinais serão disputadas em quatro corridas.

Na etapa de Curitiba a corrida foi marcada pela paciência, principalmente para o atual campeão Ricardo Mauricio que largou em 14º, mas usando  de inteligência, o piloto conseguiu ganhar  posições com as confusões da largada.

O piloto Ricardo Zonta estava  na liderança da corrida até  a 14º volta  quando ocorreu um acidente  e com isso a entrada  do  carro  de segurança. Com o imprevisto e os pilotos obrigados a ir para os boxes a corrida mudou. Zonta perdeu a primeira posição e na tentativa de retomá-la tocou seu carro no carro de Allam Khodair, fazendo com que este usasse a área de escape indo ocupar a 5° colocação. Zonta acabou punido pela sua manobra. Ricardo Mauricio foi o vencedor da etapa de Curitiba.

Classificação do campeonato após 9 etapas:

1 – Cacá Bueno (RJ/RBR-WA Mattheis/Peugeot 307) – 251 pontos
2 – Ricardo Maurício (SP/RC/Chevrolet Vectra) – 243
3 – Thiago Camilo (SP/Vogel/Chevrolet Vectra) – 235
4 – Átila Abreu (SP/AMG/Chevrolet Vectra) – 228
5 – Valdeno Brito (PB/RCM/Peugeot 307) – 223
6 – Marcos Gomes (SP/Action Power/Chevrolet Vectra) – 215
7 – Luciano Burti (SP/Boettger/Chevrolet Vectra) – 215
8 – Daniel Serra (SP/RBR-WA Mattheis/Peugeot 307) – 214
9 – Max Wilson (SP/RC/Chevrolet Vectra) – 213
10 – Allam Khodair (SP/Full Time/Peugeot 307) – 212

Por: Cassiano Fernandes